A Serpente do Essex | Sarah Perry

26.2.19 Essex, Reino Unido



Quase no final do mês, mas ainda a tempo. Chegou, por fim, a leitura do mês para o The Bibliophile Club, o clube literário começado no início de 2019 em parceria com a Sofia e a Lyne e sobre o qual podem saber tudo aqui. Um livro que começou com uma viagem atribulada e um tanto decepcionante, mas que compensou com o desenrolar do enredo. "A Serpente do Essex" foi o romance escolhido e acabou por surpreender pela positiva ao sabor da nostalgia pantanosa de Aldwinter.


Cora está preparada para viver a sua vida em liberdade. O marido morreu, deixando para trás um casamento marcado pela violência e a infelicidade. Disposta a (re)descobrir-se na sua viuvez recente, troca as ruas citadinas de Londres pelo campo pantanoso de Essex, na companhia do seu filho Francis e da sua grande amiga Martha. Aldwinter, uma aldeia remota com nada de especial que a destaque, aparenta estar nas bocas do mundo por causa de um fenómeno invulgar: uma serpente, descrita de forma semelhante a um dragão, é avistada pela população e a causadora de todos os problemas, mortes e azares que ocorrem nos últimos meses. Cora é arrastada para este meio, disposta a descobrir a verdade acerca da serpente do Essex ou o Problema, como é apelidada na aldeia. É aí que conhece Will, o reverendo de Aldwinter, um homem curioso e nada ligado a superstições que pouco têm que ver com a fé que tanto apregoa na sua congregação.

A relação entre Cora e Will é semelhante à de dois polos que se atraem. Começam com uma amizade muito intensa, que depressa demonstra ser algo mais, mas que nunca é verdadeiramente explorada por diversos motivos. Will é casado e feliz com Stella e os seus três filhos e Cora não sabe realmente o que quer depois de viver tão infeliz com o seu antigo marido. As vidas deles são afastadas e puxadas uma contra a outra sucessivamente, não deixando espaço - nem permissão - para muito mais. É esta a relação principal deste enredo, pontuada pela investigação um tanto sobrenatural daquilo que pode ou não ser a Serpente do Essex. De um lado, Cora representa a curiosidade, a inteligência, a investigação, enquanto que Will transmite seriedade, disciplina, fé e obediência.



Pessoalmente, gostei muito deste romance que foge um pouco do convencional. Não é só a história de Will e Cora que nos atrai, mas o próprio narrador obriga-nos a conhecer mais de todo o núcleo de amigos, familiares e conhecidos que anda à volta da relação e que, de alguma forma, acaba por ser fulcral na investigação em torno do Problema. Também é muito peculiar por ser um livro que relata os vários tipos de amor que existem e como são importantes para o ser humano: amor entre amigos ou entre pais e filhos, mas também amor pela educação, por algo mais, por aprender. 

Não quero dizer muito mais do que isto porque "A Serpente do Essex" é um daqueles livros que tem muito mais do que a descrição nos diz, sendo preciso ler para entender. A escrita de Sarah Perry é elegante, descritiva e imensamente bonita, conseguindo realmente transportar-nos para a localização húmida, pantanosa e um tanto nostálgica que certamente representa a aldeia em Essex. A história em si acaba por ser um tanto surreal, navegando no místico, supersticioso e inexplicável, mas sem nunca chegar a ser propriamente fantástico. 

Em suma, e ainda que haja uma explicação final para o que é, realmente, a Serpente do Essex, há também uma verdadeira introspecção sobre o que é um mal conjurado na nossa mente e de que forma isso afecta todas as nossas relações. Porque este livro joga muito entre o que é real e o que queremos que seja real, o que é verdade e o que pensamos ser verdade, mas sem nunca ser complexo, misterioso ou falso. Esta review provavelmente confunde mais do que explica, mas foi assim que eu acabei por me sentir ao terminar este livro tão, tão interessante. 

Inicialmente, as primeiras 100 páginas foram um tanto aborrecidas e pareceram não adicionar grande acção à história. No entanto, e digo isto com toda a sinceridade, o resto do livro mais do que compensa pela desilusão inicial. Depois de passar Fevereiro com romances contemporâneos, leves e divertidos, soube-me bem divagar numa história complexa que me deu muito mais do que um casal apaixonado.

Editora: Minotauro
Páginas: 404
Português: Wook*
Inglês: Book Depository*

* Este post contém links de afiliados. Ao adquirirem este livro através dos links fornecidos, estão a contribuir para o crescimento do blogue! 


Esta publicação está inserida dentro do clube literário The Bibliophile Club, em parceria com Imperium by Lyne e A Sofia WorldPodes encontrar o nosso grupo no Facebook aqui se quiseres participar em discussões sobre todas as nossas leituras.


SEGUE-ME NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • Youtube  Twitter • Pinterest 




4 comentários

  1. Fiquei a conhecer este livro através de ti. E fiquei mesmo curiosa com o seu enredo. Tenho que o adicionar à minha lista!
    «Porque este livro joga muito entre o que é real e o que queremos que seja real», isto agrada-me bastante. Acho este "jogo" interessante

    Beijinho grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na altura foi uma boa promoção na FNAC! Estava a metade do preço e por isso ficou com um preço convidativo, 10€. Foi duplamente positivo por causa do desconto e porque a história valeu a pena. Um beijinho, querida :)

      Eliminar
  2. Este mês eu já ouvi falar imenso sobre esse livro!
    Foi uma boa escolha para este mês do clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Curiosamente, também reparei que outras pessoas no bookstagram adquiriram o livro. Pessoalmente, gostei mesmo muito dele :)

      Eliminar

Instagram: @soniaropinto

© by the library. Design by FCD.