6.12.18

Homens sem Mulheres | Haruki Murakami

Quioto, Japão


Este livro, originalmente publicado em 2014 e trazido para Portugal em 2017, foi a minha viagem de volta a Murakami, anos depois de Sputnik, Meu Amor (1999), o livro com que estreei o autor. Não houve uma razão em particular para me ter afastado dele em primeiro lugar; os meus gostos literários derivaram para outros géneros e as obras deste escritor contemporâneo ficaram para trás, simplesmente. Pedi emprestado Homens sem Mulheres para saber se a minha opinião continuaria igual. Confesso que pouco mudou passados estes anos. 



Homens sem Mulheresacaba por funcionar como uma colectânea de contos cuja mensagem gira sempre em torno do mesmo: a ausência da mulher na vida de um homem, sendo que apenas o porquê diverge de história para história. Ao todo, sete contos são apresentados, sete homens que viram o seu quotidiano mudado drasticamente por causa de uma mulher. Alguns são chocantes, outros provocam uma solidão desmedida, e há ainda outros que roçam o sobrenatural e que acabam por nos deixar sem respostas entre o plano real e irreal. 

Confesso que, inicialmente, estava um pouco de pé atrás com este livro. Não sou grande fã de contos, preferindo um único enredo em vez de vários, diferentes entre si. Existe também a névoa que tolda muitas vezes a forma como certos homens escrevem sobre mulheres. No Instagram, uma bookstagrammer disse não gostar da forma como Murakami descrevia as cenas sexuais, por as achar um pouco "obsessivas", e eu pensei que este livro iria ser a grande desilusão que me iria fazer desistir daquele que é considerado um dos melhores escritores contemporâneos de sempre. 

Praticamente todos estes contos têm uma componente sexual forte, mas não considerei que fosse minimamente estranha ao ponto de me deixar desconfortável. Mais do que o erotismo em determinadas histórias, Murakami consegue-nos transportar para a solidão humana, para a saudade que não significa necessariamente amor, mas que muitas vezes pode simplesmente significar um desespero por companhia, pela presença de um ser humano na sua vida. Contudo, não deixo de frisar que esta visão depende mediante a opinião do leitor. Para mim, não foi uma daquelas escritas desagradáveis, antes uma verdadeira surpresa pela forma como o autor conseguiu explorar de forma tão diferente, as várias formas de amar, erotizar ou até odiar do ser humano. 

O meu conto favorito foi "Kino", que narra a história de um homem que, após descobrir que a mulher o traíra com outro, decidiu abrir um bar no sítio mais banal do mundo. O espaço é frequentado por um gato, que funciona como um elemento supersticioso que, no momento em que desaparece, acaba por funcionar como catalisador para uma série de eventos que têm um impacto enorme na solidão de Kino, uma solidão que lhe penetra a alma e o assola completamente. É provavelmente o conto mais estranho de todos, mas o que eu achei que se relacionasse mais com Murakami. 

Todavia, outros tantos chamam-nos a atenção e marcam, de alguma forma. "Samsa Apaixonado" é uma reconstrução do clássico A Metamorfose (1915) de Franz Kafka, que me surpreendeu bastante pela positiva pois não gostei assim tanto da obra original tão popularmente conhecida. Os outros contos deste livro chamam-se "'Drive My Car'", "'Yesterday'", "Um Órgão Independente", "Xerazade" e "Homens sem Mulheres". Todos eles são imensamente diferentes entre si e marcam-nos, de alguma forma.

No final, fiquei com vontade de voltar a explorar Murakami, mas numa obra que não seja baseada em contos. Muita gente me recomendou o autor como sendo um dos seus favoritos, e o livro Kafka à Beira-Mar (2002) foi o que mais se destacou nas recomendações.

* O By the Library é um blogue afiliado da Wook; ao adquirirem estes livros através dos links fornecidos, estão a contribuir com uma pequena percentagem para mim, potenciando o crescimento do nosso cantinho. Por mais leituras!


GOSTAM DE MURAKAMI? O QUE É QUE JÁ LERAM DELE?
SEGUE-ME NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • Youtube  Twitter • Pinterest 

4 comentários

  1. Murakami era um dos autores que pretendia adicionar à minha estante. E aproveitei a Feira do Livro, no Porto, para adquirir 1Q84. Ainda não consegui começar a ler, porque sinto que a minha concentração não está totalmente alinhada com os contornos da obra, mas tenho imensa curiosidade com a sua escrita!
    Também tenho este livro na minha lista :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que muita gente me recomendar o "1Q84", é mesmo a quantidade de vezes que ouço/vejo o livro nas livrarias e websites de distribuição de livros. É mesmo uma obra muito popular e que também gostava de ler :)

      Eliminar
  2. Também não achei o "Metamorfose" nada de especial aha Agora fiquei super curiosa para ler este, adoro Murakami, especialmente quando ele mistura o real e o irreal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda só li 2 livros de Murakami, mas confesso que uma das particularidades que adoro nele é a forma como mistura o real e o irreal, como disseste. Com este livro fiquei com vontade de ler mais dele, definitivamente :)

      Eliminar

Latest Instagrams

© by the library. Design by FCD.