11.5.18

23 lições aos 23 anos



É impressionante a velocidade a que o tempo corre. Parece que ainda foi ontem que estava a entrar pela primeira vez para a universidade, 18 anos mal feitos, prontinha para a primeira viragem da minha vida. Cinco anos depois, o percurso que eu tomava como certo deu uma volta de 360º. Cresci muito. Aprendi ainda mais. Permaneço, contudo, com a mesma incessante vontade de viver, conhecer e saber mais. Hoje, com 23 anos, penso em 23 lições que moldaram a pessoa que sou hoje. Achei que seria interessante partilhá-las com vocês. 



1. Nós não somos o nosso passado. Talvez o maior ensinamento que retirei passados todos estes anos, não só não podemos ficar agarrados àquilo que o passado nos trouxe, como não podemos definir quem somos hoje com as acções de quem fomos antes. Sim, tivemos um percurso muito nosso que nos levou, para o bem e para o mal, até ao ponto em que nos encontramos presentemente. Mas o que fazemos com aquilo que somos hoje é que importa, principalmente com a consciência de que temos de reinventar os nossos bons e maus momentos, sempre com o objectivo de crescermos e nos reinventarmos. 

2. É bom mostrarmos a nossa fragilidade. Continuo a aceitar isto todos os dias, como um mantra que tem que se entranhar na mente. Vivi grande parte da minha vida com uma máscara na minha personalidade, escondendo-me num acto de frieza e superioridade que escondia, na realidade, uma redoma de vidro sobre aquilo que sentia. Admitirmos que não somos feitos de ferro é um acto de força. Mostrarmos que não somos perfeitos é uma atitude de coragem. 

3. Viver na nossa zona de conforto prejudica mais do que ajuda. E por muito paradoxal que seja esta afirmação, sentia-a na minha própria pele várias vezes nos últimos anos. O desconhecido é aterrorizador, mas é também a nossa maior fonte de sabedoria ao longo da vida. Conhecemos quem realmente somos, fortalecemos quem éramos e apercebemo-nos que o mundo é mais do que a pequena concha onde nos fixámos. 

4. Nem todos os legumes são maus. Para a menina que torcia o nariz cada vez que um verde lhe aparecia à frente, e que agora adora bróculos e couves. Ainda estamos a crescer no que toca a legumes crus - cujo cheiro avinagrado e a lembrança de experiências passadas ainda dá voltas no estômago, mas deixámos de ver os vegetais como o papão debaixo da cama. 

5. As pessoas não têm menos ou mais valor mediante aquilo que gostam de ler/ouvir/ver. Pelas alturas em que me armei em snob e achei que a cultura de uma pessoa determinava a importância dessa pessoa. Algo que os meus amigos me ensinaram da melhor maneira, mostrando-me que o verdadeiro valor de uma pessoa rege-se pelo seu coração e atitudes.

6. Perdoarmos quem fomos (e somos) é um acto de amor-próprio. E explico tudo isso aqui.

7. Não podemos viver a nossa vida a tentar superar as expectativas de alguém. A não ser que sejam as nossas. Porque, se o fizermos, acabamos a viver pelas outras pessoas e não por nós. Pelos nossos objectivos. Por aquilo que somos.

8. Não somos um falhanço se não formos bem-sucedidos aos 20 anos. A minha geração sofre de uma síndrome onde toda a nossa vida nos fizeram sentir especiais para mais tarde descobrirmos, da pior maneira, que somos do mais ordinário possível. Somos únicos, mas não somos a última bolacha do pacote de ninguém. E não há problema nenhum nisso.

9. Amor não é determinado pelo número da balança. Algo que a minha relação com o Daniel me ensinou e me continua a ensinar todos os dias, aventurando-me também na estrada para o amor-próprio. É possível gostarem de mim sem olharem para o meu peso. É possível eu construir uma estrada que me leve a gostar de mim também.

10. O que faz o nosso coração palpitar continua a ser imprescindível. Tenho vindo a negligenciar este ponto nos últimos tempos. A esquecer aquilo que sempre me fez vibrar, que sempre esteve na minha essência. Não desperdicem aquilo que vos faz feliz, pois o arrependimento pode vir a ser maior do que pensam. Mantenham-se verdadeiros às vossas paixões.

11. Perfeccionismo não nos leva a lado nenhum. É talvez dos meus maiores defeitos. E sim, é um defeito. A ambição e o gosto pelo bom sucesso não são sinónimos de perfeição, pois essa muitas vezes leva-nos a um labirinto sem fim de retocar, retransformar, recomeçar... Sem fim.

12. A Beyoncé continua a ser a rainha da minha vida. No surprises here. Tomou conta da minha vida e só sonho com o dia em que a vou conseguir ver ao vivo.

13. Não somos os cursos que tiramos nem o trabalho que temos. Somos muito mais que o diploma que recebemos ou do trabalho que arranjámos. As notas que temos nos testes, o critério de avaliação do sistema não ditam a nossa inteligência e não definem aquilo que somos. Tirar 3 cursos ou nenhum, trabalhar naquilo que gostamos ou fazê-lo para chegar até a um certo objectivo. A sociedade em que vivemos parece esquecer-se que somos mais do que trabalho.

14. Don't take shit from anyone. Para as pessoas que tentam humilhar-nos. Para as pessoas que nos tentam puxar para baixo. Mas também para as pessoas que tentam subestimar-nos. É importante sermos bons, mas também é importante não cedermos a más energias e pessoas que nos querem mal.

15. O amor está nos pequenos detalhes. E isto não se cinge apenas a namorados, mas à família e amigos também. Aos pequenos esforços que fazem, ao apoio que têm e a pequenas atitudes que têm, todos os dias, e que provam o quanto gostam de nós. Actos grandiosos contam, mas os pequeninos são os mais desvalorizados e os que, muitas vezes, importam mais.

16. É possível superarmos as nossas alturas mais difíceis. Os últimos anos foram especialmente complicados. Estive no ponto mais baixo da minha ansiedade social. Da minha depressão, também. E embora esta seja uma caminhada que ainda não terminou, é bom olhar para trás e ver que nos encontramos num ponto muito melhor do que há dois anos atrás, um ano atrás, seis meses atrás. É possível superar aquilo que mais nos consumiu. É possível crescer interiormente. É possível lutar contra aquilo que nos quis destruir cá dentro. E é um ensinamento que levo comigo.

17. A vida é uma merda, mas não estamos sozinhos. Importante, importante, importante. Porque a solidão consome. Mas a solidão esquece-se que como nós, várias pessoas passam pelo mesmo. E há sempre uma fonte de apoio. Uma fonte de carinho. Um pilar de força. E todos nós temos a noção de que a vida é, efectivamente, uma merda. Mas é através da união que seguimos em frente.

18. Não há problema em não sermos capazes de fazer tudo. Porque, lá está, não somos perfeitos. E ainda que seja importante sairmos da nossa zona de conforto, também é importante admitir que nem tudo está ao nosso alcance, por muito que gostássemos que assim fosse.

19. As redes sociais afogam-nos num oceano de insegurança e vulnerabilidade e é importante reconhecermos isso mesmo. Estamos sempre a comparar as nossas fotos aos sucessos do Instagram, estamos sempre a pensar na vida que podíamos ter se fôssemos esta ou aquela celebridade e, quando damos por nós, isso nunca mais acaba. Somos mais do que as aparências virtuais, e cada vez mais temos tendência a esquecê-lo.

20. Sempre vão existir pessoas más na nossa vida, mas conseguimos sempre ganhar com bondade (e um bocadinho, só um bocadinho de desprezo). Sabem quando nos diziam para nós não ligarmos a discussões parvas e pessoas que não valiam o tempo que perdíamos com elas? E o quão ficávamos ofendidos porque tínhamos que defender a nossa honra ou sei lá. Crescer é exactamente saber ignorar. E à medida que vou evoluindo e os anos vão passando, vou-me rindo e ignorando cada vez mais, pois essas pessoas não valem mesmo a pena. E tenho a certeza que vou ser sempre mais feliz do que elas.

21. A vida é bonita. A vida vale a pena. Até nos dias mais cinzentos. O problema não são os nossos maus dias, as alturas que nos fazem querer desistir. O problema é se não aproveitarmos os restantes e não fizermos para esquecer as várias derrotas que já sofremos. Vamos sempre cair. Muito. Mas também nos vamos levantar. Sempre. 

22. Os livros vão ser sempre essenciais na minha vida. Nem que seja para me apaixonar por personagens masculinas que teriam tudo para ser deuses se existissem na vida real. Não, mas a sério. Vou sempre ler. Vou sempre querer saber mais, conhecer mais, ler mais. E também vou sempre procurar por romances lamechas e sonhar com o Jamie Fraser (desculpa Daniel, continuo a amar-te muito! ❤😂).

23. Life goes on. Don't forget your roots. Para que nada nos suba à cabeça. Para que não nos esqueçamos de quem somos, de quem nos ajudou, de quem nos apoiou e de quem nos viu crescer. Para que permaneçamos sempre verdadeiros a quem fomos e somos. E que vivamos sempre uma vida do caraças. 🌟💓




Happy birthday to me! 23 anos que parecem muito bonitinhos e sábios aqui pela blogosfera, mas que foram feitos de muita resmunguice, teimosia e bater com a cabeça demasiadas vezes. Mas hoje? Hoje vou celebrar. Com os meus. Com os que realmente importam. Porque mereço. E isso também é um conto de amor próprio. ❤

4 comments

  1. Muitos parabéns, minha querida! Espero que estejas a ter um dia maravilhoso *-*

    Que bom que foi ler cada uma destas lições. À medida que vamos crescendo, vamos limando algumas arestas. E vamos compreendo verdadeiramente o que é importante. É incrível como a nossa perceção das coisas sofre constantes metamorfoses, mas isso é bom sinal, porque significa que estamos dispostos a evoluir.
    Espero que as aprendizagens façam parte do percurso bonito que estás a traçar <3

    ReplyDelete
  2. Muitos parabéns querida! Ninguém diria que já são 23 anos. :O

    Entretanto, não podia ter concordado mais com as tuas reflexões. É ótimo vermos que estamos em constante mudança para melhor e o quanto evoluímos de ano para ano. É algo absurdamente fantástico e anualmente tenho me dado conta disso mais e mais.

    Espero que comemores muito e que tenhas tudo de bom na vida! Beijinhos minha querida! 💙

    www.bycarolina.pt

    ReplyDelete
  3. gostei muito de ler esta reflexão, e a afirmação que mais concordo é que sair da nossa zona de conforto só nos faz bem... experienciei isso na pele muitas vezes e embora fosse aterrorizador de todas as vezes senti que me fez bem e senti-me mais confiante e capaz. adorei o blog, segui!
    beijinhos :) https://ratsonthemoon.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  4. Muitos parabéns querida, ainda que atrasados, são ditos do coração.

    Gostei tanto, mas tanto de ler esta publicação. As aprendizagens são uma constante na nossa vida e ainda bem, partilho de muitas contigo, outras ainda não chegaram, mas vão chegando aos poucos.
    Foi quando saí da minha zona de conforto que percebi que sou muito mais do que pensava ser, que os dias cinzentos também se podem tornar luz, que intensifiquei a minha personalidade, limando algumas das arestas que me permitiram moldar e ficar mais perto daquilo que sou e quero ser.
    "Não podemos viver a nossa vida a tentar superar as expectativas de alguém". Tão isto, viver por nós, para nós. Lutar pelos nossos objetivos, mas não nos culparmos se não os alcançarmos em determinado prazo. Vamos sempre a tempo.
    Também vou aprendendo a desprezar quem noto que às vezes não me faz nem quer o meu bem, antes defendia-me sempre, agora defendo-me com o silêncio e deixo para lá. O importante é estarmos felizes, connosco e com os nossos :)

    Espero que tenhas aproveitado verdadeiramente e que tenhas tido um aniversário incrível, beijinhos :)

    ReplyDelete

© by the library. Design by FCD.