"The Hate U Give", por Angie Thomas

11.4.18


Já sabem que aprecio uma história que seja transparente com a realidade. Seja através do fantástico, de thrillers ou romances pirosos, sempre achei importante o papel vital da literatura ao apontar o dedo a uma sociedade cruel que sempre viveu através do ódio (desculpem ser tão pessimista, but where's the lie?!). The Hate U Give (em português O Ódio que Semeias) é uma dessas histórias importantes, daquelas que eu acho que deviam ser obrigatórias na vida de toda a gente. Deixem-me dizer-vos o que penso dela.




Um dos assuntos que, infelizmente, ainda é muito falado nos dias de hoje é o racismo. Continuamos a ouvir falar de imensos casos onde o preconceito e xenofobia parecem ganhar em vez da igualdade, amor e aceitação. Isso sempre me deixou furiosa; furiosa por saber que ainda temos um longo caminho a percorrer, furiosa por ainda haver, em pleno século XXI, assassinatos causados pelo racismo, e furiosa por ainda haver estereótipos que conduzem a uma ideia de supremacia racial que acabam por ser, na realidade, uma grande manifestação da insignificância e podridão dessas pessoas que usam do seu privilégio para atacar, humilhar, matar, enfim, serem montes de merda sem perdão com outras pessoas. 

The Hate U Give (2017) é uma obra excelente, escrita por Angie Thomas, que encaixa no género young adult para explicar o que é, exactamente, sofrer devido ao ódio dos outros. 

Conta-nos a história de Starr, uma jovem de 16 anos que vê o seu melhor amigo a ser assassinado nas mãos de um polícia. Explora muito bem os crimes cometidos pela força policial que já acontecem há décadas, principalmente nos Estados Unidos, onde se passa a narrativa, mas que parecem ter tido mais reconhecimento e cobertura por parte dos media nos últimos anos, onde em certos casos já há alguma justiça para com as vítimas, mas onde a grande maioria dos polícias continuam a não sofrer as consequências dos seus actos. Não é uma história com final feliz, a de Starr. Mas é uma história de reconhecimento, de promessa por justiça, de foque para as vozes que ainda precisam de ser ouvidas, e que um dia certamente o irão ser. 




Gostei especialmente de The Hate U Give por ser uma combinação perfeita entre a seriedade do assunto e as características juvenis típicas do género young adult. Num momento estamos a rir com o humor hilariante de Starr e da sua família, a sorrir ternamente para o amor único que existe entre Starr e os seus pais e irmãos, e no outro estamos quase a chorar perante o sofrimento de uma adolescente que não só tem que lidar com a morte de um dos seus amigos de infância, como também tem que lidar com as repercussões do assassinato, onde preferem ir buscar antecedentes na vítima, justificar as acções de um polícia, o que gera uma série de conflitos no bairro onde ambos cresceram. 

Também é uma história que nos explica muito bem tudo. Desde o porquê de certos comentários poderem ser ofensivos, até ao porquê de ser necessário continuar a lutar, protestar, ter uma voz contra as injustiças do mundo. Acho que a relação de Starr com o seu namorado, Chris, foi um óptimo fio na narrativa para explicar isso mesmo através de uma perspectiva juvenil. Chris é o namorado branco que tem de entender as consequências daquilo que diz, que podem ou não ser ofensivas, e as inseguranças de Starr, que vão desde namorar um rapaz branco até mostrar a esse rapaz como é o seu bairro, as pessoas com quem convive. Foi a forma, acho eu, de a autora mostrar que não há razão para ter vergonha da nossa cultura, identidade, raízes. E acho que foi, por todas estas razões e muitas mais, um livro extremamente bem concebido e definitivamente recomendável a toda a gente.

Comprar: Wook [PT] & Book Depository [ENG] 
Ao adquirires este livro através dos links indicados estás a contribuir para mais leituras no blogue!


Já leram The Hate U Give? O que acharam?


Comenta aqui!

  1. Tenho este livro na lista dos que quero comprar, porque fiquei extremamente curiosa com a sua história. Assim como tu, acho lamentável que, em pleno século XXI, ainda exista essa diferenciação, essa descriminação, este tipo de preconceitos que nos levam a lugar nenhum.
    É importante dar voz a estas histórias, porque o caminho a percorrer ainda é longo. Mas precisa de ser feito, para que se quebrem, de uma vez por todas, estas barreiras de ódio que só nos destroem.

    Maravilhosa review, como sempre, minha querida *.*

    r: É absolutamente desumano quando falta humanidade a certas pessoas, ao ponto de se aproveitarem da ingenuidade dos outros e defraudarem os seus sonhos. Eu entendo que queiram algum tipo de garantia, por estarem a correr o risco de apostar em alguém jovem e "anónimo", mas daí até só verem os lucros vai um grande passo.
    "Temos que confiar no nosso trabalho e dedicação. Se não der com as editoras, dá de outras formas", concordo totalmente contigo!

    Beijinho grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Andreia! Como sempre, também concordo contigo e com as tuas palavras :)

      Eliminar
  2. Não conhecia, mas fiquei bastante interessada em ler...
    https://sunflowers-in-the-wind.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Desde que este livro foi anunciado que ouço falar maravilhas, mas ainda não o li :/
    Parece que tenho de resolver o problema rapidamente! :D
    Beijinhos ♡

    Vanessa
    http://acharofioameada.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também demorei algum tempinho a lê-lo, mas agora que o li só tenho pena de não o ter feito mais cedo :)

      Eliminar
  4. Confesso que não conhecia, mas já acrescentei à minha lista.
    E não poderia estar mais de acordo contigo. Ainda temos um caminho bem longo para percorrer, infelizmente. Há comentários e comportamentos que me dão mesmo raiva.

    ResponderEliminar

Latest Instagrams

© by the library. Design by FCD.