5 Razões para Veres "La Casa de Papel"

6.4.18


É a série do momento. Apaixonou toda a gente, um pouco por todo o mundo, e Portugal não foi indiferente. Quanto a mim, devorei completamente a série, num ápice. Lembro-me que vi dois episódios e disse ao Daniel para vermos juntos, que não me importava de repetir os dois primeiros. Vi tudo sem ele. Voltei a rever tudo já com ele, tendo também ele ficado viciadíssimo. Mas porque é que nos apaixonámos todos por La Casa de Papel (2017)? Dou-vos 5 razões para se apaixonarem também.


Não quero fazer-vos um resumo da série, nem contar-vos a história como costumo fazer habitualmente. Quero mesmo falar-vos daquilo que gostei mais na série, os pontos fulcrais que me fariam a mim, enquanto espectadora, querer entrar no hype e ver a primeira temporada. Mas posso sugerir-vos uma opinião que, como sempre, chama a atenção a qualquer leitor: a Andreia, do blogue As gavetas da minha casa encantada, ofereceu-nos uma reflexão que aborda o surrealismo da história com o porquê de ser uma daquelas séries televisivas que ficam para a história, e acho que as palavras dela dizem tudo. Embora já tenha partilhado no meu Facebook, fica então o link acima para, se não tiveram oportunidade ou não viram, espreitarem o texto fantástico dela. 

Passemos, então, às 5 razões. 5 razões para verem, para se viciarem, para fazerem parte desta comunidade que literalmente não se cala com o "Bella Ciao" (eu sei, somos chatinhos).


1. UMA SÉRIE SEM RODEIOS E QUE SURPREENDE

Quantas vezes nos aborrecemos com uma série porque simplesmente não avança com o desenvolvimento da narrativa? Foi assim que parei de ver The Walking Dead (2010). A partir daí fiquei sempre desconfiada de toda a série que não passasse ao que realmente interessa, pelo que La Casa de Papel foi uma agradável surpresa. 

No primeiro episódio não há adiamentos, nem ficamos a saber qual o objectivo das personagens principais no terceiro ou quarto episódio; em vez disso, é jogo aberto logo nos primeiros minutos, onde explicam sucintamente o end game e levam-nos de imediato para o ponto fulcral da série: o assalto à Fábrica Nacional de Moeda e Timbre. O mais surpreendente de tudo? Consegue, ainda assim, surpreender-nos. Cada movimento é calculado, cada final de episódio deixa-nos sem fôlego e com vontade de ver mais, mais, mais, mais (e sim, eu escrevi isto como se estivesse a cantar ciao, ciao, ciao, ciao). Para quem não gosto de séries lentas, conseguem aqui sentir a rapidez dos acontecimentos ao mesmo tempo que não deixa nada de fora, pois todos os pormenores são detalhados e há uma construção narrativa que não se perde com a velocidade da história.

2. AS PERSONAGENS 

Toda a gente aponta isto nas suas reviews, e não é por acaso. Gostei especialmente da opinião da Andreia, cuja publicação vos mencionei acima, pois ela refere que o surrealismo não está apenas nas máscaras de Dalí, mas também na sensação de proximidade que sentimos com os assaltantes, pois todos temos a desesperada necessidade de torcer por eles e querer que sejam bem sucedidos. 

As minhas personagens favoritas são, sem dúvida, a Nairobi e o Denver. O Daniel também ficou encantado com a Nairobi, que acho ser uma personagem favorita de todos, de uma forma geral. Há um realismo muito cru na construção não só destas personagens, como de todos os participantes no assalto - tanto assaltantes como reféns. Há os dois lados da moeda, pois o objectivo é mostrar que há um passado em cada um, uma razão que os levou àquele momento específico. Gosto especialmente do contraste entre o amor que sentimos pelos criminosos, por exemplo, e o ódio e raiva que temos por um dos reféns, Arturo. Acho que é propositado este equilíbrio, ao tentar mostrar-nos que não há uma definição pré-concebida do que é certo e errado, de quem é bom e mau. É uma história sobre humanos e para humanos.

3. UM ASSALTO QUE NÃO ESQUECE OS PROBLEMAS DO DIA-A-DIA

Talvez a perspectiva mais interessante em La Casa de Papel: uma série que não se afasta da realidade. Há muitas séries e/ou filmes que escolhem afastar-se de assuntos sensíveis, de índole política, por exemplo, pois o objectivo é a ficção, é afastarmo-nos da merda que é o dia-a-dia e conseguirmos esquecer os nossos próprios problemas através de uma outra realidade fictícia. Conheço que pessoas que só gostam desse tipo narrativa (e eu também gosto, atenção!), e depois existem pessoas como eu, que, acima de tudo, apreciam quando os produtores e realizadores da série transmitem uma mensagem importante através da visibilidade e tempo de antena que têm. 

Nesta série fala-se sobre tudo: misoginia, abuso de poder, amantes que não assumem paternidade por não quererem estragar casamentos, bullying, preconceito, pessoas com cadastro sem complacência para visitar filhos, pessoas que concordam com abortos, pessoas que não concordam com abortos, etc. Já vos disse anteriormente e volto a dizer: é uma série real, uma série humana, uma série que não esconde os defeitos, preconceitos, estereótipos e horrores do ser humano, embora também não os julgue, deixando essa parte para a perspectiva do espectador. 

4. OS ROMANCES 

E quem não gosta de uma boa história de amor, uhm? Já sabem que o romance é sempre um factor muito importante (ainda que não obrigatório) para gostar de uma série. Em La Casa de Papel temos vários. São histórias de amor que não precisam necessariamente de um final feliz, mas que estão lá para mostrar a fragilidade humana, as partes bonitas e as partes feias de qualquer relação. 

Em relação a este ponto, não me quero alongar. Porque o meu romance favorito é um que vem muito mais tarde, um autêntico spoiler, e eu não quero estragar a experiência às pessoas que ainda não conseguiram ver a série. Mas, para quem viu, e sabendo qual é uma das minhas personagens favoritas mencionadas no ponto anterior, não será difícil adivinhar qual é. ❤

5. GENIUS, GENIUS EVERYWHERE

Por último, e o que atrai mais o público e o deixa sempre boquiaberto: a inteligência, a genialidade ao orquestrar este assalto. Muito graças ao Professor, a cabeça deste plano, o elo que une os restantes membros daquele que é considerado o mais fenomenal crime da história, conseguimos denotar logo no início e até ao fim da 1ª temporada o grau de complexidade em que mergulharam para que nada fosse ao acaso, para que os danos fossem mínimos e, de alguma forma, conseguissem sempre estar dois passos à frente da polícia.


***
*
A segunda temporada de La Casa de Papel já está disponível na Netflix! Eu cá estou tão viciada que já ando a sonhar com uma terceira temporada (vamos rezar para que aconteça!).

E vocês, já viram esta série fantástica?

Comenta aqui!

  1. Uma das melhores séries de sempre! Honestamente, acho que poucas conseguirão atingir o nível desta. Claro que, depois, também dependerá muito do gosto de cada um, porque podem não se identificar com o género em si, mas está mesmo bem construída. E não posso avançar sem, uma vez mais, agradecer todo o feedback tão generoso à minha publicação. Fico mesmo de coração cheio *.*

    Pessoalmente, se ainda não me tivesse aventurado a ver, o teu texto contribuiria e muito para alterar isso. Porque, de forma brilhante, destacas aquilo que, para mim, são os pontos essenciais para cativar um espectador. É extremamente importante que uma série os aborde de forma equilibrada e coesa, caso contrário acabamos por nos distanciar.
    Fiquei mesmo surpreendida e agradada quando percebi que o assalto ia acontecer logo no primeiro episódio. E acho que isso foi crucial para marcar o ritmo da série. Além disso, fascinou-me o lado humano e real que assumiu. Porque estamos a lidar com mentes brilhantes, principalmente o Professor, que não são intocáveis.
    Quanto mais falo sobre esta série, mais encantada fico. Porque está incrível. E acho que, qualquer dia, me vou aventurar a revê-la :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou igual! Estou estupidamente viciada na série e ainda que dependa muito do gosto de cada pessoa, acho que é uma série que cativa um grande número de pessoas. Dou sempre o exemplo do meu namorado, que fica sempre com sono a ver as séries que lhe mostro ahahah, e que com esta ficou de tal modo interessado que havia vezes em que me apetecia ir dormir (e eu já tinha visto, estava a rever e ele a ver pela primeira vez) e ele dizia "vai, vai que eu fico a ver mais um episódio". E via! Por isso acho que é uma série que surpreendeu e marcou um grande aglomerado de pessoas :)

      Eliminar
  2. Sim, sim e sim. Depois de Hannibal - uma série que me conquistou por completo - não esperava que outra série me conquistasse da mesma forma ou até mais. E eis que surge "La Casa de Papel".
    É incrível, completa e genial. Vivi e senti cada episódio com uma intensidade.
    Como tão bem referes, é uma série que aborda mil e um temas que fazem parte do nosso dia-a-dia, problemas reais; acaba também por criticar certos aspetos da sociedade em que vivemos; é a história deles e o que os leva ali; é isto tudo que nos leva a querer devorar e foi por isso que demorei quatro dias a vê-la.
    As personagens cativam-nos, cada uma à sua maneira e é incrível como nos vamos afeiçoando a elas.
    Não tenho muito mais à acrescentar ao que escreveste e ao que a Andreia escreveu na sua publicação sobre a série, é tudo aquilo que penso :p

    (a partir daqui contém spoilers)
    Também sou apologista de uma terceira temporada, uma mini-temporada vá, para verem ser respondidas algumas das minhas questões e saber o rumo que alguns personagens levaram, visto que Rio e Tóquio seguem caminhos diferentes, saber se Nairobi vai resistir e não vai procurar o filho, explorar a relação entre o professor e o Berlim - ok, são irmãos, mas ficamos assim um bocadinho curiosos, falo por mim.
    No entanto, tenho receio que estraguem a série como algumas vezes acontece, mas pode ser que não. Rezemos. Rezemos para que haja mais "Bella Ciao".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adorei, adorei, adorei Hannibal! Acho que foi uma das séries mais bem construídas na história da televisão e tive uma pena que tivesse sido cancelada, pois acho que teria imenso potencial. E é como tu dizes, é uma série que consegue criticar os vários problemas da sociedade e ao mesmo tempo manter-se activa, cativante e interessante! E siiiim, preciso desesperadamente de uma terceira temporada! Acho que não faz sentido prolongar muito mais, mas tem lógica querer responder às questões que nos deixaram. E porque pronto, ficámos tão encantados com a história que simplesmente queremos conhecer um pouco mais :)

      Eliminar
  3. Também adorei a série (quem não, certo?). Vi os primeiros 3 episódios sozinha e depois não me calava com o raio da série que "obriguei" o meu namorado a ver. Viciei-o também. Passámos literalmente um domingo inteiro no sofá a ver a série. Só se levantávamos para ir ao wc ou buscar comida :P
    Foi um vicio tremendo. Agora com a renovação é que não sei se fico contente ou preocupada. Eu fui daquelas que quando acabou fiquei danada porque queria ver mais, ou seja, queria ver a malta toda passado um ano e não só o professor, mas estou com receio que agora estraguem a série com histórias só para encher chouriços. Espero que não! Em 2019 lá estarei prontinha para ver :)
    Gostei muito do blog :) ***

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu consegui pôr todos os meus amigos a ver a série. Até mesmo pessoas que não têm tempo/não ligam muito a cinema & séries de televisão, sentiram-se hipnotizados com a série e paparam-na toda até ao fim! 😂

      O meu namorado também acha que uma 3ª temporada era desnecessária. Num certo ponto de vista, concordo. Por outro lado, acho que ficaram algumas perguntas por responder, nomeadamente do que aconteceu com as outras personagens para além do Professor e de Raquel. Mesmo se for uma temporada má e estragar um bocadinho a série, em 2019 estou lá batida para devorar tudinho, ahah!

      Eliminar
    2. :) temos de ver a parte positiva, vai ter mais Nairóbi e Berlim! Li agora que o Berlim também assinou contrato, provavelmente vão ser só flashbacks (mas até já estou na dúvida se ele morreu ou não, nesta série podemos esperar de tudo :P), mas só por ele entrar já fico um bocadinho mais contente.
      Se for má temos sempre GOT para afogar as mágoas! 2019 vai ser em cheio :D ***

      Eliminar
  4. Esta série é tão boa que mesmo depois de acabar de a ver ainda me apetece falar nela (e cantar Bella Ciao!) E para mim o motivo principal é esse que tu dizes, e bem, de as pessoas não serem só boas ou só más. É por isso que gostamos tanto desta série. Porque é real. Está bem escrita e é inteligente e pouco convencional.
    Beijinho
    https://andreiamoita.pt/

    ResponderEliminar

Latest Instagrams

© by the library. Design by FCD.