3.1.18

2018 Bucket List


Para quem ainda não leu a primeira publicação de 2018 - que, por acaso, ainda tinha sido escrita em 2017 mas que, por falta de tempo para editar as fotografias, passou para o ano seguinte, espero que tenham aproveitado a vossa new year's eve e que tenham entrado em 2018 "com o pé direito". Por aqui, celebrou-se a passagem de ano com os mesmos de sempre, já com o espírito empolgado para que 2018 se torne dos melhores anos da minha vida. 

Como tal, há que trazer as melhores amigas de cada início de ano: listas! E eu já tenho aqui a minha, numa espécie de bucket list para 2018 cheia de objectivos, compromissos e sonhos. 






Não me apetece voltar a rebobinar a cassete e falar novamente do porquê de 2017 não ter prestado para mim. Sei que foi um ano muito complicado, um ano que me ensinou muito e que também trouxe muitas lições para a pessoa que sou hoje, e acho que isso me chega para entrar em 2018 com uma nova onda de optimismo. Porque preciso dela, do entusiasmo que ela traz e da perspectiva de ter muitos dias felizes, mesmo se as partes mais tristes de mim não me deixam sentir isso a 100%.  

Os últimos anos têm sido uma luta contra a maré, com alguns dias de sol a ajudarem mas fundamentalmente muitos dias ventosos na direcção oposta àquela que pretendo seguir. E estou farta disso, dessa luta constante onde não chego onde quero e, por vezes, deixo-me até ir para o lado mais negro da tempestade. Gostava muito que 2018 fosse o ano da mudança, o ano em que finalmente tenho o mundo a meu favor. E sei também, acima de tudo, que parte dessa mudança parte de mim e apenas de mim. Pois se houve coisa que aprendi realmente em 2017, foi que sou sem sombra de dúvidas a minha super-heroína, e que só eu posso salvar o meu dia-a-dia dos maus das fita metafóricos da minha vida.

Também quero muito viver, aproveitar a vida e viver aventuras da melhor forma possível. Quero finalmente cumprir metas e etapas que me são necessárias e não me quero sentir estacada como me senti no ano que passou. Quero viver, com o fácil e o difícil, com o bom e o mau, mas quero viver tudo em pleno. É por isso que organizei esta bucket list. Porque a quero cumprir, ou pelo menos manter-me optimista o suficiente para lutar por ela todos os dias. 

Escrever, terminar & apresentar a tese

O grande bicho papão de 2018. Não é segredo nenhum que comecei esta última fase dos meus estudos sem vontade nenhuma e, sinceramente, um bocadinho contrariada. Houve muita pressão para terminar o último ano do mestrado e "ficar despachada disso", quando a verdade é que não sei se estou a fazer a escolha certa ou se devia estar a procurar alternativas e a (re)descobrir-me para saber o que quero realmente fazer. 

Mesmo perante toda esta situação, estou a tentar focar-me nisso com todas as minhas forças, olhando-me no espelho todos os dias e prometendo que quanto mais rápido fizer as coisas, mais depressa elas fogem da minha vida. Os primeiros três meses de 2018 vão ser completamente dedicados em terminar a tese em Jornalismo, tentando fazer-me ver a mim mesma, diariamente, que nada do que eu faço agora define quem sou para o resto das minhas vidas. E preciso disso. Dessa incerteza na certeza.

Escrever 30 minutos por dia, todos os dias

Para além da tese e para além do blogue, gostava muito de sentar-me em frente ao meu computador e obrigar-me a escrever qualquer coisa, todos os dias. Quando me pedem para falar sobre mim, a primeira coisa que me vem à mente é "sou escritora". Escrevo desde os meus 11-12 anos, tenho vindo a criar histórias e poemas e ficções e contos a minha vida toda, e não há nada mais importante para mim do que abrir o meu caderno cor-de-rosa, o Blogger ou o Word e escrever, por mais insignificante que seja. 

O objectivo é escrever pelo menos 30 minutos por dia. Obviamente que isto também me vai obrigar a ser mais organizada no meu quotidiano, a cumprir horários e conseguir aguentar-me com as várias coisas que quero que façam parte do meu dia-a-dia em 2018. Mas se não trabalhar naquilo que me define, se não melhorar a minha escrita e continuar a negligenciá-la, nunca vou chegar onde sempre quis chegar, independentemente da profissão e/ou vida que levo no futuro: publicar um livro. 

Publicar no blogue pelo menos três vezes por semana

Agora que estou num ponto estável aqui pelo By the Library, falta arranjar tempo e organização para ser consistente nas minhas publicações. Tenho muitas ideias e projectos que gostava de implementar na blogosfera, mas primeiro que tudo gostava de estabelecer uma rotina semanal para vos dar a certeza a vocês, leitores, que todas as semanas podem contar comigo. 

Três vezes por semana. Algures entre a segunda, a quarta e o sábado, por forma a ter tempo para me focar também nas minhas restantes obrigações do dia-a-dia. Trazer ao blogue mais reviews de todos os livros que leio, começar com o projecto MOVIE 36 da Lyne, mas também aventurar-me e fugir da minha zona de conforto com essas ideias secretas e sonhadoras que, por ainda não saber se consigo levá-las até ao fim, vão permanecer em segredo por agora

Healthy lifestyle, bem te quero 

Estou farta de falhar redondamente nisto, todos os anos, a toda a hora, sucessivamente. Estou cansada de ser a pior versão de mim, de não parar com tudo isto de não ser saudável e simplesmente modificar-me. Há muito mais nisto de ser saudável do que simplesmente perder peso, e é nisso que me quero focar. Healthy lifestyle, desde há algum tempo atrás, tem sido mais profundo e complexo do que simplesmente "querer ser magra" para mim. E tenho que me manter fiel a essa forma de pensar, por muito que a falta de auto-estima me leve a crer o contrário

O meu pneumologista tem me vindo a recomendar caminhadas e exercício físico há já algum tempo como forma de aliviar a minha asma, uma das minhas melhores amigas desde que sou pequenina. Também a minha psicóloga me aconselhou a ir andar ou correr, pois praticar exercício físico diariamente ajuda a melhorar condições de depressão e ansiedade. Depois de tantos anos a ter impregnado na pele que exercício físico só pode ser sinónimo de querer emagrecer, estou lentamente a tentar modificar essa ideia ao mostrar a mim mesma que há mais nisso de andar e correr e ir ao ginásio do que odiar o meu corpo, e espero que 2018 seja o ano em que isso fica bem patente na minha mente e no meu coração. 

Arranjar trabalho, finalmente

Não sou de intrigas, mas o horóscopo dedicado a este ano garantiu-me que 2018 ia ser um ano de mudanças a todos os níveis. E apesar de isso dos astros e estrelas ser, na maior parte das vezes, uma valente tanga, quero acreditar plenamente que sim, efectivamente, este ano vai ser um dedicado a mudanças. Boas, importantes, simbólicas para o meu futuro. E sei que arranjar um emprego está incluído nesse pacote de boas energias que o novo ano me vai trazer. 

Embora continue a ter o apoio da minha família, principalmente agora que me estou a focar na tese, a verdade é que preciso muito de ser independente (e falei sobre a minha caminhada para ser bem sucedida na vida aqui). Estou cansada de depender da minha família para todas as minhas despesas e gostava de evoluir para, de alguma forma, ir viver com o meu namorado e conseguirmos cumprir finalmente o sonho de vivermos juntos. Mas mesmo que isso não passasse a ser uma meta de 2018, apenas ter um emprego fixo que me ajudasse a poupar dinheiro e independente, sem ajudas de ninguém, já era uma bênção, algo verdadeiramente fantástico neste ano. E já não há volta a dar. Eu vou arranjar um emprego, seja em que área for, independentemente do que tiver que fazer. Nisto, deposito toda a minha confiança. 

Andar a cavalo 

E como estava a ser tudo muito profundo e generalista, uma pequena-grande meta para 2018 passa por andar a cavalo. Não me lembro propriamente se alguma vez o cheguei a fazer - embora me lembre de uma vez, com 10 ou 11 anos, andar de burrinho num evento escolar - mas sei que gostava muito de experimentar, pelo menos uma vez, como é andar a cavalo. 

O meu namorado adora montar; com duas éguas lindíssimas, tem sido sempre um desejo de ambos que eu montasse uma vez que fosse, algo que tem vindo a crescer gradualmente em mim porque, no início, tremia só de pensar que, ao estar lá em cima, o animal se empinasse e me mandasse ao chão. Mas há que sair da nossa zona de conforto e há que arriscar, e gostava muito que 2018 fosse esse ano para mim, o ano das aventuras onde finalmente cumpro uma espécie de sonho pequenino com o meu namorado onde dou um mini-passeio com um cavalo muito dócil e bem comportado (ou isso, ou não me metem lá em cima nem por nada 🙈). 

Ler 45 livros & ver 36 filmes 

Nada que enganar, aqui. Sou cada vez mais apologista de que a arte é obrigatória na vida de qualquer pessoa, sendo essencial para nos aquecer a alma e o coração, e sei como facto que a literatura e o cinema são óptimas ajudas para isso mesmo. 

Depois de ter lido 40 livros em 2017, onde vos falei aqui no blogue dos meus favoritos, subo um bocadinho a parada e chego aos 45, esperando ter tempo e vontade para chegar até esse número e sempre com a ajuda do desafio da Goodreads. Quanto a filmes, já vos tinha falado mais acima do projecto da Carolayne denominado MOVIE 36 onde, juntamente com outras bloggers, nos comprometemos a ver pelo menos três filmes por mês, abordando-os nos nossos blogues e trazendo mais da sétima arte às nossas vidas. Um ano definitivamente positivo no campo da cultura.

Ir a pelo menos um concerto 

Vou ser-vos sincera: embora ouça música todos os dias e precise dela para melhorar o meu dia-a-dia, não sinto aquele ímpeto quase compulsivo de querer ir ver uma banda ao vivo. Já tive a minha dose de concertos e adorei cada um deles, que não haja dúvidas nisso, mas se por acaso perder um concerto das minhas bandas ou músicos favoritos, não sinto que estou a perder uma parte de mim por causa disso. 

Depois do concerto de Hang Massive em Dezembro do ano passado, contudo, voltei a sentir aquele bichinho de quem tem vontade de ver música ao vivo. E, se houvesse oportunidade para isso gostava muito, por exemplo, de ir ver Bruno Mars ao vivo no Rock In Rio, um concerto que sem dúvida irá estar repletos de power e de boas vibrações. 

Ir à Comic-Con Portugal 

Todos os anos sigo a Comic-Con nos Estados Unidos, acompanhando os painéis e conferências das minhas séries favoritas e delirando com a quantidade de oportunidades que têm sempre neste tipo de eventos, um sonho para qualquer amante de livros, de cinema, de séries, etc. Embora nunca me veja a fazer cosplay, adorava ver ao vivo as várias pessoas que se empenham a transformar-se nas suas personagens fictícias favoritas, acreditando piamente que se alguma vez participasse na Comic-Con nos EUA, iria estar histérica o tempo todo e largas semanas depois. 

Aqui em Portugal, temos também uma Comic-Con que, infelizmente, tem sido sempre demasiado longe para eu conseguir participar. Em Matosinhos acabava por se tornar tudo demasiado dispendioso para mim, deixando-me sempre no meu cantinho no Ribatejo com vontade de participar, sonhando com uma Comic-Con em Lisboa, muito mais perto de onde vivo. Rumores dizem que isso finalmente vai acontecer, pelo que se assim for vou acabar lá certinha e ninguém me vai impedir de aproveitar essa oportunidade ao máximo.

Começar a ter aulas de pilates

Porque finalmente tenho essa oportunidade na minha vila. Não será a primeira vez que o vou fazer, pois em Évora, quando tirei a minha licenciatura, fui a umas aulas de pilates com uma amiga minha e foi das melhores experiências que tive até hoje. Porque faz bem ao corpo e à mente, e porque sinto que preciso de umas aulinhas relaxantes para exercitar o corpo e recarregar boas energias. 


***

São estes os 10 mandamentos de 2018, embora vos garanta que pretendo fazer muito mais do que apenas isto que aqui vos apresento. Espero sinceramente conseguir concretizar todos estes pontos e os restantes que ficam aqui pelo coração, em segredo. E embora não saiba como é a vossa bucket list, espero que a consigam terminar tal e qual como eu, desejando-vos o melhor de 2018. 

Sejam felizes. 💖

4 comments

  1. Espero, sinceramente, que 2018 seja o ano da mudança. E que alcances todas as tuas metas! Revi-me em algumas delas: escrever todos os dias, arranjar emprego, ter um estilo de vida mais saudável e ler 45 livros :)
    Não sou de fazer grandes planos, até porque sinto que a vida não tem que ser programada ao segundo, mas acho que termos objetivos mais ou menos definidos é uma excelente ajuda para traçarmos o nosso caminho!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Também não sou o tipo de pessoa que organiza a vida a cada minuto, não gosto de coisas programadas, gosto sim de ir com a corrente mediante aquilo que a vida proporciona. Ainda assim, gosto de ter algumas metas definidas na minha cabeça, para nunca me esquecer delas e pensar naquilo que gostava realmente de fazer durante o ano ;)

      Delete
  2. Que 2018 te realize todos esses desejos! Na parte do Healthy Lifestyle estamos juntas, cansei-me de fazer promessas. Este ano vai ser o ano, não por uma questão de "ficar magra" mas por uma questão de saúde e bem estar! Yes we can! :)

    Beijinhos
    Andreia, ALL THE BRIGHT PLACES

    ReplyDelete
    Replies
    1. Igualmente para ti, Andreia! E é mesmo esse o objectivo de uma vida saudável, não é? Não a pensar em ser mais magra, mas sermos a melhor versão de nós mesmos. Yes, we really can!

      Delete

© by the library. Design by FCD.